A HISTÓRIA DOS AQUECEDORES CATALÍTICOS

No ano de 1916 nasceu o primeiro Catalítico que, assim como a maioria dos grandes inventos, teve sua origem em tempos bélicos. O Ministério da Guerra Francês solicitou, a Luis Lumiére, já célebre pela invenção cinematográfica, a solução para pré-aquecer os motores dos aviões militares, sem risco de incêndio nem explosão por contacto com a gasolina armazenada nos hangares.


Lumiére criou em 1916 um aparelho de aquecimento, baseado no principio da combustão catalítica, conseguindo manter quentes os motores dos aviões, evitando o perigo de incêndio, ao produzir-se o aquecimento a uma temperatura mais baixa do que o ponto de inflamação da gasolina.


O grande explorador das regiões polares Roald Amundsen, na sua expedição ao Polo Norte, após uma aterragem forçada a 88o latitude norte, que o obrigou a permanecer durante três semanas debaixo das duras condições árcticas, escreveu no seu diário: "À noite distribuía-se os aparelhos THERM'X e era como se estivéssemos num pequeno paraíso".


Durante os anos 20, S.M. George V, rei de Inglaterra, utilizou regularmente os aquecedores THERM'X ao serem recomendados pelos seus engenheiros navais, devido à sua alta segurança, potência e economia, afim de obter um calor confortável.

Desde 1919 até aos nossos dias e fruto da experiência e investigação, os aquecedores catalíticos Mepamsa-Therm'x têm sido sempre o máximo exponente de qualidade e tecnologia no mundo da catálise.